sexta-feira, 14 de julho de 2017

POLÍCIA CIVIL LAMENTA FALECIMENTO DO AUXILIAR TÉCNICO DE POLÍCIA CIVIL RAIMUNDO NONATO RODRIGUES DE OLIVEIRA

A Polícia Civil lamenta profundamente o falecimento do auxiliar técnico de Polícia Civil, Raimundo Nonato Rodrigues de Oliveira, o Seu Raimundo, que tinha 69 anos e que tinha 33 anos de serviço público no Estado. Desde outubro de 2005, estava lotado na Diretoria de Polícia Especializada (DPE), na sede da Delegacia-Geral, em Belém. 

O corpo do Seu Raimundo será velado hoje, com horário a ser definido, na capela mortuária da Sociedade União Good Pax, localizada na Travessa Lomas Valentinas, entre Avenidas Duque de Caxias e Rômulo Maiorana (25 de Setembro), no Marco, em Belém. 

A instituição externaliza seus votos de condolências à família, aos amigos e a todos os colegas de trabalho enlutados e roga a Deus que fortaleça a todos nesse momento difícil.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

PRESO EM FLAGRANTE POR TRÁFICO DE ENTORPECENTES NA SACRAMENTA EM BELÉM

PRESO

Policiais civis da Seccional da Sacramenta prenderam, nesta quarta-feira, 12, em Belém, o auxiliar de serviços gerais Pedro Leonardo Silva do Nascimento, 22 anos, de apelido Leo, por tráfico de drogas, no bairro da Sacramenta, em Belém. Com ele, 100 petecas de maconha do tipo limãozinho, foram apreendidas. O delegado Alberto Teixeira, diretor da Seccional, explica que a prisão dele foi resultado de um registro de ocorrência de um furto de um telefone celular de uma funcionária da escola estadual José Alves Maia, registrado na última segunda-feira, na Seccional, em que ele foi apontado como o suspeito do crime. 

A partir das análises de uma câmera de segurança instalada em frente à porta da sala da secretaria da escola, onde estava a bolsa com o celular da vítima, os policiais civis verificar que as únicas pessoas que entraram na sala foram dois funcionários - um homem e uma mulher - de uma empresa contratada pela Secretaria de Educação do Estado (Seduc) para prestar serviço de limpeza na escola. A mulher, que já tem três anos trabalhando na escola, ficou poucos minutos na sala e saiu. 

O homem, identificado depois como o suspeito Pedro Leonardo, que trabalha há apenas um mês no local, ficou mais tempo na sala. Assim, os policiais civis foram ontem até a escola e conduziram os dois funcionários até a sede da Seccional para que os dois fossem ouvidos em depoimento sobre o furto do celular. Na Seccional, Pedro Leonardo se mostrou muito nervoso durante o depoimento. Foi então que um dos policiais civis resolveu revistar a mochila do suspeito e encontrou a droga. "Possivelmente a droga, ele conseguiu comprar com a venda do celular furtado. A gente deduz isso, porque ele nega ter furtado o celular", salienta o delegado. Dessa forma, salienta o delegado, Pedro Leonardo vai responder por tráfico de drogas e vai responder inquérito pelo furto do celular.

DROGAS APREENDIDAS
NOTA DA SEDUC A Seduc confirma a prisão de Pedro Leonardo Silva do Nascimento, funcionário de uma empresa prestadora de serviços contratada para atuar na Escola Estadual José Alves Maia, situada na Avenida Senador Lemos, cujos alunos estão de férias. Ele foi acusado de ter furtado, na última segunda-feira (10/7), no interior da escola, o celular de uma funcionária. Segundo informações da polícia, ele portava drogas ao ser preso fora da escola. 

O episódio é restrito à esfera policial, não havendo implicação com a atividade pedagógica ou de outra ordem; principalmente, pelo fato de o acusado não ter vínculo com a área educacional, sendo funcionário terceirizado para os serviços de limpeza da escola. Independente dos procedimentos restritos à Polícia, a Secretaria de Educação comunicou o fato à empresa prestadora de serviço solicitando que o acusado seja desligado dos serviços vinculados à Seduc. E, por meio da Ouvidoria, estão sendo tomadas medidas internas que o caso exige, ao tempo em que interage com área de segurança do governo para ampliar os procedimentos de segurança nas escolas.

DELEGACIA DE POLÍCIA FLUVIAL PRENDE ACUSADO DE ASSALTAR BALSA NA ILHA DO MARAJÓ

Policiais civis da Delegacia de Polícia Fluvial (DPFlu), unidade policial vinculada ao Grupamento Fluvial de Segurança Pública, prenderam, nesta quinta-feira, 13, o foragido da Justiça Jailson Tavares Farias, 30 anos, no momento em que embarcava em um navio no porto Custódio, no bairro do Jurunas, em Belém. Ele é acusado de atuar como "pirata" em assaltos a embarcações. Jailson é acusado de assaltar uma balsa, na última quarta-feira, dia 6, na Ilha do Marajó. 

PRESO
Ao ser preso, ele foi flagrado com uma pistola calibre 40, arma de uso permitido apenas às Polícias, com numeração raspada e oito petecas de "Skank", um tipo de maconha modificada em laboratório, além de relógios e dinheiro. Segundo informações do delegado Arthur Braga, titular da DPFlu, o suspeito pretendia viajar no navio que seguia para o município de Limoeiro do Ajuru. 

APREENSÕES
Ele tem mandado de prisão expedido pela Justiça do Pará pelo assalto à balsa. "O preso foi conduzido à sede da Delegacia no Grupamento Fluvial para ser autuado por porte ilegal de arma de uso restrito a Polícia e tráfico de drogas", detalhou o delegado.

PRESOS DOIS ACUSADOS DE TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM SANTA IZABEL DO PARÁ

A Polícia Civil divulgou, nesta quinta-feira, dia 13, a prisão dos acusados Gleidson Gabriel Costa da Silva e Carlos Eduardo Pinheiro Leite, por tentativa de homicídio, em Santa Izabel do Pará, nordeste paraense. A tentativa de assassinato foi registrada em 12 de abril deste ano, quando a vítima estava em um salão de beleza. Os acusados foram ao local e efetuaram diversos disparos contra a vítima, mas os disparos não atingiram o alvo. 

SECCIONAL DE SANTA IZABEL DO PARÁ
Após o conhecimento do crime, a delegada Rafaella Cabral, da Seccional de Santa Izabel do Pará, deu inicio às investigações para descobrir a autoria e a motivação do crime. "A motivação teria partido de constantes ameaças direcionadas aos suspeitos, vinda de um grupo de pessoas do qual a vítima fazia parte, e de desavenças existentes há mais de 10 anos", explica a policial civil. 

Com a identificação da autoria e comprovada a materialidade da tentativa de homicídio, salienta a delegada, foi requisitada à Justiça a prisão preventiva dos acusados. Eles já estão recolhidos à disposição da Justiça em unidades da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (SUSIPE). As investigações contaram com a atuação do chefe de operações da Seccional, investigador Mateus Almeida, e da equipe plantonista formada pelos policiais civis Emilia Lagoia, Leonice Matos e Ronildo Ferreira.

OPERAÇÃO MARATAUÍRA RESULTA EM 26 PRISÕES EM ABAETETUBA NO PARÁ

Doze presos por homicídio, seis por tráfico de drogas, outros seis presos por roubo e dois por latrocínios (roubos seguidos de morte), totalizando 26 presos. Este foi o saldo final da operação Maratauíra deflagrada pela Polícia Civil, na madrugada desta quinta-feira, 13, no município de Abaetetuba, na região do Baixo-Tocantins, nordeste paraense. Do total de presos, 23 foram presas em cumprimento a mandados de prisão e outras três em flagrante por tráfico de entorpecentes. Dentre os presos, três são mulheres. Diversas porções de drogas foram apreendidas.  

OPERAÇÃO 

POLICIAL CIVIL CUMPRE MANDADO DE BUSCA E APREENSÃO EM RESIDÊNCIA
Os presos foram levados até a sede do Instituto de Ensino de Segurança do Pará (IESP), em Marituba, na região metropolitana de Belém, onde foi realizada, no final da manhã, uma entrevista coletiva, pelo secretário de Segurança Pública, Jeannot Jansen; pelo delegado-geral Rilmar Firmino, e pelo diretor de Polícia Especializada, delegado Silvio Maués, para apresentar os resultados da ação policial. Ao todo, 200 policiais civis de unidades policiais da capital, Divisões Especializadas e Delegacias de vários municípios do Estado, foram acionados para atuar na operação. Eles saíram por volta de 3 horas da manhã, após reunião realizada no auditório do IESP, em deslocamento até Abaetetuba, para cumprir 55 mandados de busca e apreensão em residências da cidade. 

DROGAS APREENDIDAS 
Segundo o delegado-geral, a investigação sobre o latrocínio do feirante Raimundo Lobato Mota, crime ocorrido em janeiro deste ano, às margens do rio Maratauíra (rio que passa em frente à Abaetetuba), foi o ponto de partida para deflagração da operação que é resultado de investigações realizadas pelo Núcleo de Apoio à Investigação de Abaetetuba e da Superintendência da Polícia Civil na Região do Baixo-Tocantins, também sediada em Abaetetuba. 

Em decorrência das investigações do crime, realizada por policiais civis de Abaetetuba, foi identificado o autor do crime. Trata-se de Gleifeson dos Santos Amorim, de apelido Cutraca, um dos presos na operação. No decorrer das investigações, os policiais civis responsáveis pelo inquérito apuraram que o acusado também estava envolvido em outro crime. O latrocínio do professor Andrew Luis Teixeira Monteiro, crime ocorrido no ano passado. Durante as investigações, outro envolvido na morte do professor foi identificado como Judicleison da Costa, de apelido Cocota, que também foi preso na operação Maratauíra. 
PRESOS
A operação em Abaetetuba, detalha o delegado-geral, foi uma continuidade da operação Timbó, que foi deflagrada em 4 de maio deste ano, em Igarapé-Miri, cidade situada na região do Baixo-Tocantins, próxima a Abaetetuba. Na ocasião, foram cumpridos mais de 100 ordens judiciais, entre mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva, contra acusados de envolvimento em crimes, como roubos e homicídios. Ao todo, 34 pessoas – 27 homens, 4 mulheres e três adolescentes - foram conduzidas inicialmente para a Delegacia do município, e depois encaminhadas para a sede do IESP, em Marituba. Nesse local, foi montada uma estrutura em diversas salas do Instituto com computadores instalados e conectados à internet para acessar o sistema usado pela Polícia Civil para registros de procedimentos policiais, como prisões em flagrante. 

RILMAR FIRMINO E JEANNOT JANSEN
O secretário de Segurança Pública, Jeannot Jansen, destacou na coletiva de imprensa, o trabalho de inteligência policial desempenhado pela Polícia Civil e que é fundamental para realização de operações como essa. Ele destacou os investimentos realizados em inteligência policial no Sistema de Segurança Pública do Pará pelo Governo do Estado, como a criação dos Núcleos de Apoio à Investigação nas principais regiões do interior do Pará, como nas regiões de Marabá, Santarém, Redenção, Abaetetuba e Castanhal. Após o final dos procedimentos policiais, como autos de prisão em flagrante e comunicação do cumprimento dos mandados de prisão à Justiça, os presos foram conduzidos para Unidades do Sistema Penitenciário na região metropolitana. 

domingo, 9 de julho de 2017

POLÍCIA CIVIL PROMOVE ENCONTRO COM COMUNIDADE EM PORTEL

A Polícia Civil esteve presente em um debate realizado com a presença de pais, crianças e adolescentes, neste sábado, 8, na sede da Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Portel, no Marajó. O evento como objetivo discutir sobre o papel da Polícia na sociedade, com enfoque nos direitos e nas garantias fundamentais. 


A palestra sobre o tema foi realizada pelo delegado Paulo Junqueira, titular da Delegacia do município. O encontro reuniu moradores de comunidades ribeirinhas e dos bairros da Portelinha e Cidade Nova, em Portel. Foi um momento para integrar a Polícia Civil e a comunidade do município, como forma de trocar conhecimentos, prestar orientações e esclarecimentos sobre as leis e o Estatuto da Criança e do Adolescente. 

Mais do que reprimir os crimes, a atuação da Polícia Civil também está voltada para a prevenção social da violência, por meio da informação da sociedade, o que também contribui em muito para o combate às consequências da violência, como o crime. O encontro foi muito válido para a comunidade que pode conhecer mais o trabalho desempenhado pelas Polícias no município. 

sábado, 8 de julho de 2017

POLÍCIA CIVIL APREENDE 60 QUILOS DE COCAÍNA DURANTE OPERAÇÃO NO MARAJÓ


Uma operação policial coordenada pela Polícia Civil, por meio da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), com apoio do Grupamento Fluvial de Segurança Pública e Comando de Operações Especiais (COE), resultou, ontem de madrugada, dia 7, na apreensão de 60 quilos de cocaína, um fuzil AR 556 com 31 munições e uma lancha em Ponta de Pedras, na ilha do Marajó. Francislei do Santos Leão foi preso em flagrante de posse das drogas. Outros três envolvidos no esquema de tráfico de drogas já haviam sido presos no sábado passado, dia 1º, em Belém. Eduardo da Silva Moura, de apelido Beá; Patrick Menezes Araújo e Anderson do Vale Lima já estão recolhidos no Sistema Penitenciário do Pará. 


As apreensões foram resultados da continuidade das investigações para desarticular o esquema de distribuição de drogas vindas de Tabatinga, no Amazonas, com destino à capital paraense, com passagem pelo Marajó. Segundo o delegado Hennison Jacob, titular da Denarc, a droga foi apreendida na ilha da Olaria, em Ponta de Pedras, na ilha do Marajó. A lancha foi localizada no furo do Rio Panema, também em Ponta de Pedras, às proximidades da ilha onde as drogas foram localizadas juntamente com a arma de fogo.  


Conforme o delegado, a apreensão foi resultado de investigação realizada pela equipe da Denarc. "Ao todo, o grupo de traficantes é formado por 12 pessoas. Existem outras três pessoas escondidas na mata em Ponta de Pedras", detalha o policial civil. Ele salienta que as investigações continuam para apreender o restante da droga e prender as outras três pessoas que atuam como "mulas" no transporte dos entorpecentes. Os presos foram transferidos ao Sistema Penitenciário e as drogas encaminhadas para perícia no Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, em Belém. 

sexta-feira, 30 de junho de 2017

POLÍCIA CIVIL DO PARÁ FAZ PRIMEIRA PRISÃO DE CURADOR DO JOGO DA "BALEIA AZUL" NO BRASIL

A Polícia Civil apresentou, nesta sexta-feira, 30, detalhes sobre a operação “Blue Whale” deflagrada por policiais civis da Divisão de Prevenção e Repressão a Crimes Tecnológicos (DPRCT) do Pará, na zona rural do município de Bequimão, a 77 quilômetros de São Luís, capital do Maranhão, no dia de ontem. No local, foi preso o estudante maranhense Jardson Cantanhede Amorim, 19 anos, foi a primeira pessoa no Brasil a ser presa acusada de atuar como "curador" do jogo Baleia Azul na internet. Ele teve mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça paraense após ser identificado como intermediador do Grupo “Blue Whale”, página no Facebook que era usada para orientar crianças e adolescentes a cumprirem o jogo que conta com uma série de desafios, desde a mutilação do próprio corpo com cortes, escutar músicas psicodélicas e até em provas que podem levar ao suicídio dos jovens. 

PRESO
O preso chegou a Belém, na noite de ontem, e foi ouvido em depoimento hoje na sede da DPRCT, no bairro do Telégrafo, pela delegada Vanessa Lee. Segundo a delegada, até o momento, duas vítimas já foram identificadas. Uma delas é uma jovem de 18 anos, moradora em Ananindeua, na região metropolitana de Belém, que chegou a cortar as mãos e braços durante os desafios. A outra vítima é uma jovem que mora em Portugal, que também se lesionou com cortes. Ouvido em depoimento, o preso negou ser curador do jogo da Baleia Azul. As investigações foram iniciadas há três meses, após a mãe da jovem de 18 anos ter procurado inicialmente a Seccional Urbana de Ananindeua, de onde foi encaminhada para a DPRCT, em Belém. Ouvida pela delegada Vanessa Lee, a mãe da jovem informou que a filha estava cumprindo desafios do chamado jogo da Baleia Azul e que chegou a cortar o próprio corpo com uma navalha para cumprir as provas repassadas em uma página na rede social Facebook. 

DELEGADA VANESSA LEE FALA DAS INVESTIGAÇÕES
Após ouvir os depoimentos, a delegada apurou, na época, que a página possuía mais de um curador do jogo. Um deles, que seria o maranhense, explica a delegada, efetuou o aliciamento da vítima paraense pelo Facebook, por meio de um perfil falso e, posteriormente, enviou um convite para a vítima para participar do grupo. Os jovens eram orientados a acessar uma outra rede social de origem russa denominada “VK”. Segundo informações coletadas na rede mundial de computadores, além do Pará, ocorreram casos semelhantes nos Estados do Mato Grosso e Minas Gerais. Ao todo, as investigações identificaram no grupo um total de 88 participantes, mas o número de pessoas com as quais ele se comunicou nas redes sociais não pode ser mensurado. 

As investigações realizadas mostraram que os criminosos, através da internet, cooptaram crianças e adolescentes, em geral, fragilizados emocionalmente por traumas e em estados depressivos, por problemas familiares, a participarem dos jogos. "Facilmente, elas foram impressionadas pelas exigências e orientadas a realizarem as tarefas, caso contrário eram ameaçadas ou tinha os familiares ameaçados", explica. A dinâmica do jogo começava por links contidos em grupos no Facebook, os quais redirecionam os jovens para a rede social russa. Depois, os adolescentes eram selecionados a participar do jogo e a cumprir 50 desafios macabros. Neste jogo, detalha a delegada, o “curador” convidava os jovens para o jogo e enviava os desafios a serem cumpridos por meio de um bate-papo. 

VÍTIMA FOI INSTIGADA A SE CORTAR
Nas conversas, os jovens eram instigados a pegar uma navalha ou faca e riscar a palma da mão com uma numeração fornecida pelo "curador". Depois, tinham que enviar a foto da mão para mostrar que haviam cumprido a prova para poder passar para a próxima prova. A equipe policial da DPRCT efetuou a identificação de IPs e de dados telemáticos para localizar e identificar o endereço do “curador” responsável pelo jogo. Jardson Amorim foi preso na casa onde mora com os pais, em uma comunidade rural, no interior do município maranhense. No local, detalha a delegada, o acusado acessava a internet por meio do telefone celular. Para realizar as investigações, a equipe policial da DPRCT contou com apoio da Coordenação Geral de Inteligência (CGI) da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), por meio do programa Cyberlab. 

As investigações resultaram na decretação de mandados judiciais pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Ananindeua no Pará. A operação policial no Maranhão, que foi coordenada pela delegada Karina Campelo, da DPRCT, foi realizada em conjunto com a equipe de policiais civis da Delegacia de Bequimão coordenada pela delegada titular do município maranhense, Martha Dayanne. O preso vai responder pelo crime previsto no artigo 122, do Código Penal, por induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio. O crime tem duas penas previstas. Uma delas é de 1 a 3 anos, caso resulte em lesão corporal da vítima, ou de 2 a 6 anos, caso resulte na morte. Após prestar depoimento, o preso foi conduzido para o Sistema Penitenciário para ficar recolhido à disposição da Justiça. 

CRIME ERA COMETIDO NA ZONA RURAL 

O preso é natural de Bequimão e morador de uma localidade do interior deste município chamada Cumbila. "O local simples não impediu que aspectos negativos propiciados pelos avanços das tecnologias da informação, a exemplo da internet, propiciem aos criminosos revelar a extrema crueldade que um ser humano pode cometer se escondendo através de um perfil falso nas redes sociais, de forma a lhe garantir 'anonimato' e, assim, orientar jovens a se mutilarem fisicamente e psicologicamente para depois subtraírem sua vida", ressalta a delegada Vanessa Lee. A Polícia Civil do Estado do Pará vai prosseguir a investigação policial para garantir a proteção da criança e do adolescente e inibir condutas criminosas na rede mundial de computadores.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

PRESO ACUSADO DE MATAR REPRESENTANTE DE SINDICATO DE TRABALHADORES RURAIS EM MOJU

A Polícia Civil apresentou, nesta quarta-feira, 28, informações sobre a prisão de Felix da Silva Tavares, 19 anos, acusado da autoria do assassinato de Maria Trindade Silva Costa, 69, crime ocorrido na localidade de Santana de Baixo, em Igarapé Jambuassu, zona rural do município de Moju, nordeste paraense. A prisão foi realizada por policiais civis da Divisão de Homicídios de Belém em apoio à Unidade Integrada Propaz de Moju, onde foi instaurado inquérito presidido pelo delegado José Alexandre de Lima. Ele foi preso, por volta de 18 horas, na casa do pai, que mora a cerca de 200 metros do local do crime. O preso confessou o assassinato e que agiu sozinho, mas alegou que matou a vítima porque "ouviu vozes que o mandaram matar". Ele está com mandado de prisão preventiva decretado pela Comarca de Moju.

PRESO
As informações foram prestadas pelo delegado Fernando Bezerra, da Divisão de Homicídios de Belém, responsável pela prisão do acusado. A vítima era representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município e fazia trabalhos assistenciais na comunidade. Segundo o delegado, ela não tinha qualquer ligação com o movimento quilombola. A vítima foi morta após levar uma pancada de madeira na cabeça. Em seguida, teve o corpo enterrado em um matagal pelo acusado. O crime ocorreu por volta de 18 horas da sexta-feira passada. O corpo foi encontrado por populares por volta de 20 horas de sábado. As investigações foram iniciadas pela equipe policial da Unidade Integrada de Moju. Durante o inquérito, o suspeito chegou a ser ouvido em depoimento e negou o crime. Morador no município de Acará, Felix Tavares contou que estava morando na casa do pai, há oito dias, para tentar arrumar um trabalho em Moju, onde o pai é dono de um comércio.

DELEGADO FERNANDO BEZERRA
Ontem de manhã, o acusado ligou para a companheira, que mora em Acará, e confessou ter cometido o crime. Ainda, por telefone, ele confessou o crime para a mãe. Esta, ao tomar conhecimento do fato, telefonou ao pai do acusado informando-o da confissão do filho. Assim, o pai passou a interrogar o rapaz que, diante de um irmão, confessou ter assassinado a vítima. Durante a tarde, a equipe de policiais civis esteve na casa do pai do suspeito, onde ele informou aos policiais a confissão do filho. Ouvido em depoimento, o rapaz confirmou ter atacado a vítima quando ela caminhava sozinha por um caminho em direção da casa em que morava, após se despedir do filho.

DIVISÃO DE HOMICÍDIOS
Ele disse que ouviu a voz dizer que era para matar alguém. Logo em seguida, ele pegou o pedaço de madeira e atingiu a vítima na cabeça. Em seguida, arrastou o corpo até o matagal, onde a enterrou. Ele negou ter cometido violência sexual contra a vítima. Segundo o delegado, as condições em que o corpo foi encontrado não são compatíveis com estupro. "Não há nada que comprove o crime sexual. Foi solicitada perícia para averiguar isso, mas não há qualquer evidência de crime sexual", detalha o delegado. O pedaço de madeira foi encontrado e encaminhado para perícia para passar por exame de comparação com as digitais do acusado. Após a confissão, o delegado José Alexandre requereu ao juiz de Moju a prisão preventiva, que foi de imediato decretada. Com a prisão, a Polícia Civil tem prazo de até 10 dias para concluir o inquérito e remeter à Justiça.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

POLÍCIA CIVIL RECUPERA CARGA ROUBADA DURANTE ASSALTO A BALSA NO MARAJÓ

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Polícia Fluvial (DPFlu), unidade policial vinculada ao Grupamento Fluvial de Segurança Pública, investiga o assalto à balsa da empresa HP Log, crime ocorrido em 6 de maio deste ano, próximo ao Farol da Pescada, em Muaná, na ilha do Marajó. Neste final de semana, um homem - Nazareno Dias da Silva - foi preso em flagrante por receptação de produtos roubados. 


Com ele, foram recuperados alguns objetos levados durante o assalto, como televisores e aparelhos de som. Segundo o delegado Arthur Braga, titular da DPFlu, a carga recuperada estava em Abaetetuba na casa do preso que era responsável pela venda do produto.


Ainda, durante as buscas, os policiais civis foram até a casa de outro suspeito, situada na localidade conhecida como Furo do Urubueua, na zona rural do município, porém ele não foi encontrado. No entanto, na casa, os policiais recuperaram mais produtos roubados e apreenderam uma escopeta de fabricação artesanal tipo calibre 20 e munições. A arma e as munições foram abandonadas com a chegada dos policiais ao local.


Na ocasião do assalto, explica o delegado, os criminosos usaram uma rabeta - embarcação a motor - para interceptar a balsa. Depois, invadiram o local armados e renderam os tripulantes. Em seguida, arrombaram as carretas, onde estavam os produtos, e saquearam diversos produtos. As investigações sobre o crime continuam.


POLÍCIA CIVIL REGISTRA CERCA DE 500 ATENDIMENTO DO PROJETO MULHER RESPEITADA É MULHER EMPODERADA EM ANANINDEUA

Cerca de 500 pessoas estiveram, neste final de semana, na sede da creche municipal Valdete Lima Pinto, situada na Passagem do Arame, entre Avenidas Independência e Rio Solimões, no Paar, em Ananindeua, na Grande Belém, onde foram realizados os atendimentos sociais e de saúde, além de registros de ocorrências de violência doméstica contra a mulher e emissão de carteiras de identidade , promovidos pelo Projeto "Mulher Respeitada é Mulher Empoderada".  

EMISSÃO DE DOCUMENTOS

LOCAL EM QUE FOI REALIZADO O PROJETO

PALESTRA

As ações de cidadania foram coordenadas pela Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAV) da Polícia Civil em parceria com a Coordenadoria da Mulher de Ananindeua, Conselho Municipal da Mulher, Centro de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência (CRAM) e Fórum de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher (FEV) de Ananindeua.


CORTE DE CABELO

ATENDIMENTO SOCIAL 
Desde as 8 horas da manhã de sábado, 24, até a tarde de domingo, 25, os atendimentos gratuitos voltados à comunidade, e especial, às mulheres, que residem no Conjunto Paar e adjacências, foram realizados no local, como orientações jurídicas e sociais, palestras, corte de cabelo, limpeza de pele, exames rápidos de pressão arterial, glicemia e teste de HIV, entre outros.

Durante a ação, um inquérito policial foi instaurado pela equipe policial da Delegacia Móvel instalada no local com pedido de medida protetiva de vítima de violência praticada pelo companheiro, no último sábado, enviado ao juiz de plantão do Fórum de Ananindeua.

No mesmo dia, o oficial de Justiça foi designado para dar ciência ao acusado da proibição de se aproximar da vítima. Ao todo, oito depoimentos foram tomados no inquérito. 
DELEGACIA MÓVEL
Dez denúncias foram recebidas de vítimas de violência doméstica. Destas, cinco vítimas de violência doméstica foram ouvidas em depoimento. Cinco pessoas foram encaminhadas à Defensoria Pública. No total, 48 carteiras de identidade foram emitidas durante a programação. No total, 38 pessoas foram encaminhadas para atendimento médico. Ao todo, 96 pessoas passaram por corte de cabelo e beleza facial. Foram distribuídos 250 kits informativos foram distribuídos. 

EQUIPE QUE ATUOU NO PROJETO
Foi a quarta ação social promovido pelo projeto em prol da comunidade de Ananindeua. O projeto já passou pelos bairros do Icuí-Guajará, nos dias 20 e 21 de maio; Maguari, nos dias 27 e 28 de maio, e Distrito Industrial, nos dias 10 e 11 de junho. Nas três ações, foram realizados 1.637 atendimentos diretos à comunidade. A delegada Aline Boaventura, titular da Diretoria de Atendimento a Grupos de Vulneráveis, explica que o projeto visa atender as demandas de mulheres do município até a inauguração da Delegacia da Mulher de Ananindeua previsto para ocorrer no final do ano, após o ingresso de novos policiais civis com o encerramento do atual concurso público.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

POLICIAIS CIVIS FAZEM ENTREGA DE DOAÇÕES DE ALIMENTOS PARA FUNDAÇÃO PESTALOZZI DO PARÁ

A Polícia Civil fez uma doação de 50 fardos de leite, nesta sexta-feira, 23, para a Fundação Pestalozzi do Pará, sediada na Avenida Almirante Barroso, bairro do Souza, em Belém. Os produtos haviam sido furtados e foram recuperados por policiais civis da Divisão de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) durante as investigações do crime. A seguradora responsável pela carga decidiu não receber de volta os produtos e autorizou a doação do material apreendido. A entrega foi realizada pela manhã, na sede da instituição, por policiais civis da DRFR chefiados pelo delegado Ricardo do Rosário, titular da Divisão. 


A Fundação Pestalozzi do Pará é uma ONG (Organização não Governamental) de caráter filantrópico e de utilidade pública, que atua há 56 anos no Pará, em atividades voltadas à educação de pessoas com problemas cognitivos, deficiência mental e múltipla deficiência (física e cognitiva), além de clientela de pessoas com necessidades educacionais especiais.

Segundo o delegado, além da Fundação Pestalozzi do Pará, outras fundações serão beneficiadas com produtos alimentícios não-perecíveis recuperados em operações policiais e que tiveram a doação autorizada pela seguradora responsável. Ao todo, a DRFR recuperou, durante a investigação, 180 fardos de leite que serão entregues a diversas instituições. 



POLÍCIA CIVIL VAI LEVAR ATENDIMENTOS GRATUITOS À COMUNIDADE DO PAAR EM ANANINDEUA NESTE FIM DE SEMANA

A Polícia Civil vai promover neste sábado e domingo, dias 24 e 25, de 8 horas da manhã às 18 horas, uma série de atendimentos gratuitos voltados à comunidade, em especial, às mulheres, que residem no Conjunto Paar e adjacências, em Ananindeua, na região metropolitana de Belém. Entre os serviços estão emissões de carteiras de identidade, registros de boletins de ocorrência, pedidos de medidas protetivas às mulheres vítimas de violência doméstica, orientações jurídicas e sociais, palestras, corte de cabelo, limpeza de pele, exames rápidos de pressão arterial, glicemia e teste de HIV, entre outros. A programação será realizada na sede da creche municipal Valdete Lima Pinto, situada na Passagem do Arame, s/n, entre Avenidas Independência e Rio Solimões, no Paar. 

As ações são resultados do projeto "Mulher Respeitada é Mulher Empoderada" coordenado pela Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAV) da Polícia Civil em parceria com a Coordenadoria da Mulher de Ananindeua, Conselho Municipal da Mulher, Centro de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência (CRAM) e Fórum de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher (FEV) de Ananindeua. 


Essa será a quarta vez que o projeto leva os serviços à comunidade de Ananindeua. O projeto já passou pelos bairros do Icuí-Guajará, nos dias 20 e 21 de maio; Maguari, nos dias 27 e 28 de maio, e Distrito Industrial, nos dias 10 e 11 de junho. Nas três ações, foram realizados 1.637 atendimentos diretos à comunidade. No sábado, 24, de 8 horas ao meio-dia, serão realizadas as ações sociais com previsão de emitir cerca de 100 de carteiras de identidade, além de prestar encaminhamentos, solicitar medidas protetivas, prestar orientação jurídica, entre outros serviços. A programação prossegue durante a tarde e ao longo do domingo, dia 25, até as 18 horas, com atendimentos diversos. 

Entre eles, a Delegacia Móvel, com presença de equipes de policiais civis femininas da Delegacia da Mulher de Belém, para registrar boletins de ocorrência, recebimento e apuração de denúncias de casos de violência doméstica contra a mulher. O projeto é voltado também a atender aos homens e jovens. "Vai haver corte de cabelo, serviços de embelezamento feminino, e também atendimentos médicos rápidos, como medição de pressão arterial e teste de HIV. No evento, serão realizadas também palestras sobre o combate à violência doméstica contra a mulher", detalha a delegada Aline Boaventura, titular da DAV. A delegada explica ainda que o projeto visa atender as demandas de mulheres do município até a inauguração da Delegacia da Mulher de Ananindeua previsto para ocorrer no final do ano, após o ingresso de novos policiais civis com o encerramento do atual concurso público.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

PRESO EM SÃO PAULO ACUSADO DE MATAR ENTEADOS DE 10 E 12 ANOS E DE TENTAR MATAR COMPANHEIRA E CRIANÇA DE SEIS ANOS EM CURIONÓPOLIS (PA)

Uma ação em conjunto das Polícias Civil do Pará e de São Paulo resultou na captura de José Carlos Anjos dos Santos, em Monguaguá, cidade da região metropolitana da Baixada Santista, litoral sul do Estado de São Paulo.  

Ele é acusado de assassinar os enteados de 10 e 12 anos, e de tentar matar a companheira Adriana Matos Alves, 29, e outra enteada de seis anos, no último dia 29 de maio, em Curionópolis, no sudeste do Pará. 

O preso está com mandado de prisão decretado pela Justiça. A provável motivação do crime foi ciúmes por parte do suspeito. 

Após o crime, que abalou a cidade paraense, José Carlos, que paulista e natural do litoral santista, fugiu inicialmente para Marabá de onde seguiu para o Estado de São Paulo. 

Segundo o delegado Thiago Carneiro, responsável pelo inquérito do caso, o preso será recambiado ao Pará para responder pelo crime. 

As vítimas foram atacadas em casa pelo acusado com pedaços de madeira que foram usados para desferir diversos golpes nas crianças e na mulher. 

Na casa, havia sinais de luta corporal. Por enquanto, ele vai permanecer na cidade paulista à disposição da Justiça do Pará, para responder pelo duplo homicídio e pelas duas tentativas de homicídio.

terça-feira, 30 de maio de 2017

POLÍCIA CIVIL JÁ EMITE DOCUMENTOS DE IDENTIDADE COM ENTREGA NA HORA EM IGARAPÉ-AÇU

A carteira de identidade, principal documento de identificação das pessoas, passou a ser emitida no município de Igarapé-Açu, nordeste paraense, com recebimento no mesmo dia. A novidade foi anunciada, nesta terça-feira, 30, pelo titular da Delegacia do município, delegado Augusto Damasceno. Segundo ele, o documento é emitido, diariamente, de 8 horas da manhã até as 14 horas, na sede da Delegacia de Polícia. 

Em Igarapé-Açu, o serviço de emissão de documentos de identificação conta com servidores públicos municipais, treinados pela Polícia Civil, para atuar como identificadores civis. O serviço é realizado graças a um convênio entre a corporação policial e a Prefeitura Municipal. "Por dia, o local vai emitir até 30 carteiras de identidade", explica o diretor de identificação da Polícia Civil, papiloscopista Antonio Ricardo Paula. 

EMISSÃO DE CARTEIRAS DE IDENTIDADE
O delegado explica que a emissão e entrega da carteira de identidade no ato é possível graças à informatização do sistema de identificação implantada no município que permite acesso online ao sistema de registros de identificação civil, fazendo com os que os dados dos cidadãos sejam registrados diretamente do município via internet sem necessidade de ter de enviar os prontuários das pessoas para outro município ou para Belém. 

Atualmente, a região nordeste do Pará conta com quatro municípios, onde o documento é emitido e entregue na hora aos usuários: Castanhal, Capanema, Bragança e agora Igarapé-Açu. Segundo a diretora de informática da Polícia Civil, delegada Perpétua Picanço, existe previsão de expandir o número de municípios com sistema informatizado, para que o documento passe a ser emitido e entregue na hora nessas cidades. "A medida visa atender não só no nordeste do Estado, como em todas as outras regiões paraenses", detalha.

Somente, no ano passado, o Estado do Pará emitiu cerca de 360 mil carteiras de identidade, o que representa uma média de 30 mil emissões de documentos por mês em 2016. Em 2017, em média, estão sendo emitidas por mês 50 mil carteiras de identidade no Estado. O Pará é o 10º Estado que mais emite documentos de identificação no Brasil. 

Local de emissão das carteiras de identidade em Igarapé-Açu
EMISSÃO DO DOCUMENTO EM IGARAPÉ-AÇU
EMISSÃO Para solicitar o documento de identidade, nos casos de primeira via da carteira, basta apresentar a certidão original de nascimento; duas fotos em cores, recentes e iguais tamanho 3 por 4, e algum comprovante de endereço. Se for adolescente até 16 anos, o responsável deve acompanhar. Se a pessoa for casada, deve apresentar a certidão de casamento original, em vez da certidão de nascimento. Se for divorciada, deve apresentar a averbação de divórcio original. As primeiras vias da carteira são gratuitas. A partir da segunda via, é cobrada taxa de emissão no valor de R$ 37,13. A taxa não é cobrada nos casos de apresentação de boletim de ocorrência de furto ou roubo da primeira via do documento.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

POLÍCIA CIVIL DIVULGA RETRATOS FALADOS DE SUSPEITOS DE ASSALTAR BANCO EM PLACAS

A Polícia Civil do Pará divulgou o retrato-falado de um homem procurado na região oeste do Estado acusado de uma série de assaltos na rodovia Transamazônica, em Rurópolis. O suspeito teve o rosto desenhado com auxílio de programas de computador a partir de informações colhidas durante as investigações. A reprodução simulada do rosto foi produzida pela Diretoria de Identificação Regional da Polícia Civil em Santarém. 

Denuncie: Ligue 181
SE RECONHECER, LIGUE 181
Um dos crimes cometidos pelo suspeito, explica o delegado Ariosnaldo Vital Filho, titular da Delegacia de Rurópolis e responsável pela investigação, foi o assalto ocorrido no último dia 13 de março, quando uma casa no bairro do Aeroporto foi invadida por um homem armado que rendeu os moradores e saqueou objetos pessoais e jóias.

De acordo com o delegado, a imagem elaborada foi avaliada em 70% de semelhança com o autor dos crimes. O suspeito tem cabelo curto e escuro, olhos grandes, redondos e castanhos claros, magro, pele negra, altura de cerca de 1,65m e idade aparente de 30 anos. 

As Polícias Civil e Militar estão atuando de forma integrada no combate à criminalidade no município realizando diligências preventivas diárias e investigações para elucidação das autorias de crimes contra o patrimônio. "O retrato falado é mais um recurso com amparo técnico e científico que a Polícia Civil está lançando visando melhor embasar os procedimentos e chegar à autoria do delito", explica. Quem tiver informações que levem à localização do suspeito do crime deve denunciar ao fone 181, o Disque Denúncia.

PRESOS QUATRO SUSPEITOS DE MATAR LÍDER RURAL EM CASTANHAL

A Polícia Civil prendeu, nesta segunda-feira, 22, em Castanhal, nordeste paraense, quatro pessoas acusadas de envolvimento no assassinato da líder rural Kátia de Sousa Martins, morta a tiros em sua casa, no último dia 4. As prisões dos suspeitos foram realizadas por policiais civis da Delegacia de Homicídios de Castanhal em decorrência de decretação de prisões temporárias de 30 dias expedidas pela Justiça. Os presos são William Coelho dos Santos, Adriana Cristina Ferreira Coelho, Nazareno da Mota Oliveira e Pedro Pereira Barrozo Filho, assentados do Assentamento 1º de Janeiro, onde a vítima era presidente da Associação dos Assentados. Os presos negaram a autoria do crime em depoimento.


SEDE DA SUPERINTENDÊNCIA DE CASTANHAL
William, filho de Adriana, foi reconhecido como um dos executores da vítima, enquanto que os demais são apontados como mandantes do crime e responsáveis em contratar William como executor da líder rural. As investigações realizadas pela equipe policial chegaram à identificação dos suspeitos e apontaram que a morte de Kátia Martins foi resultado de rixas entre os próprios assentados. Durante as investigações, detalha o delegado Temmer Khayat, titular da Superintendência da Região Integrada do Guamá, sediada em Castanhal, a hipótese de conflito agrário, como motivação do crime, foi descartada. As investigações são presididas pelo delegado Nélio Magalhães, titular da Delegacia de Homicídios de Castanhal. As investigações evidenciaram, com reforço de depoimentos testemunhais, que a hipótese de crime decorrente de invasão da área onde está o assentamento não tinha fundamento, pois em momento algum o proprietário da área entrou em conflito com os assentados e pelo fato de as informações todas apuradas, no inquérito, indicarem que a causa da morte foi conflito interno entre os próprios assentados. 

Devido as atividades que a vítima desenvolvia no Assentamento, ela criou inimigos que faziam oposição à sua liderança na área. Dessa forma, explica o policial, o grupo opositor passou a fazer ameaças e atos de violência no Assentamento. Além disso, ressalta o policial, os atos agressivos praticados pelo grupo opositor à liderança de Kátia Martins foram intensificados, após a reeleição dela à presidência da Associação dos Assentados, no final do ano passado, e após o terreno do assentado Pedro Pereira Barrozo Filho ter sido invadido por outro assentado, cunhado da vítima, há cerca de um mês antes do crime. 

Essa invasão teria ocorrido com a concordância da Associação, já que Pedro teria descumprido exigências para permanecer com o lote de terra, como morar e cultivar na propriedade. Dentre os integrantes do grupo opositor estavam Adriana Cristina e o companheiro dela, Nazareno Oliveira. Os dois abandonaram o terreno que possuíam no Assentamento, no final de semana, após o crime. Já o preso William chegou a trocar de motocicleta cerca de uma semana após o crime, apesar de conformar em depoimento que trabalha como pedreiro, mas que está atualmente sem trabalho fixo, apenas tirando "bicos". 

Em decorrência das investigações, os suspeitos irão permanecer recolhidos à disposição da Justiça. As investigações continuam para tentar identificar outro acusado de envolvimento na execução da vítima. Kátia Martins foi morta a tiros por dois homens, por volta de 20h20, do último dia 4, em sua residência, no Assentamento 1º de Janeiro, na zona rural de Castanhal. Os criminosos invadiram a casa e mataram a mulher. Em seguida, fugiram do local sem roubar nada. 

terça-feira, 18 de abril de 2017

POLÍCIA CIVIL PROMOVE ENCONTRO ENTRE PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE SERVIÇO SOCIAL EM BELÉM

A Polícia Civil promoveu, ontem, no auditório da Seccional do Guamá, em Belém, um encontro entre professores do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Pará (UFPA), os profissionais da área que atuam no atendimento social dentro das Delegacias da Polícia Civil e alunos. O objetivo foi fazer uma visita monitorada para conhecer o trabalho desempenhado pelo profissional do Serviço Social na Seccional. A atividade faz parte da programação voltada à supervisão de estágio.


A assistente social Graciane Almeida, do Núcleo de Pacificação e Prevenção da Violência (Nuprev), que é responsável em coordenar o Serviço Social nas Delegacias de Polícia Civil, explica que, atualmente, a Polícia Civil conta com 60 estagiários de Serviço Social em atuação nas Delegacias da Região Metropolitana de Belém. "São estudantes de universidades que têm parceria com a Polícia Civil", detalha. A assistente social Luzia Matos, responsável pelo Serviço Social na Seccional do Guamá, recepcionou as professoras Verônica Couto e Vera Paracampo, da UFPA, juntamente com um grupo de alunos do curso.  

POLÍCIA CIVIL APREENDE 800 QUILOS DE CARNE ESTRAGADA EM SOURE

A Polícia Civil divulgou, nesta terça-feira, 18, informações sobre a apreensão de carne bovina, realizada, ontem, após recebimento de denúncia anônima. Ao todo, foram apreendidos 800 quilos de carne bovina estragada que seria usada na merenda escolar na rede municipal de ensino, em Soure, na Ilha do Marajó. A apreensão foi realizada por volta de 14 horas. A carne foi encontrada no interior de um caminhão-baú no porto da balsa que faz a travessia do rio Paracauari, entre as cidades de Salvaterra e Soure. Segundo o delegado Rodrigo Amorim, titular da Polícia Civil em Soure, o veículo saiu de Salvaterra com a carga que seria distribuída em escolas de Soure. 

O caminhão foi abordado no momento em que desceu da balsa. No veículo, estavam o motorista e o dono da carga, Jacy Nunes, 42 anos. "Dentro do baú, foram encontrados diversos sacos de carne em estado de decomposição. Após solicitação de documentos necessários para transporte do produto, o dono da carga informou que não estava de posse da documentação", explica o delegado.

Assim, foi acionada a Agência de Defesa Agropecuária (Adepará) para averiguar a situação. O dono da carne foi conduzido para a Delegacia, para ser autuado em flagrante por receptação e depósito de produto inapropriado para consumo de pessoas. Ele vai permanecer recolhido à disposição da Justiça. Os 800 quilos de carne, detalha o delegado, foram incinerados. 

Jacy Nunes venceu uma licitação aberta pelo município de Soure para contratação de distribuidora de carne bovina para a rede municipal de ensino de Soure. Em depoimento, ele alegou que a carne era procedente de uma fazenda de sua propriedade, mas não disse o nome da empresa fornecedora. 

DESTINAÇÃO Segundo o delegado, em informações coletadas durante a apuração do caso, a carne tinha como destinação a merenda escolar, já que o condutor do caminhão-baú foi contratado para distribuir o produto em escolas municipais de Soure. Ainda, conforme o delegado, o produto não apresentava o selo obrigatório de inspeção da Vigilância Sanitária nem autorização da Adepará. A equipe da Agência de Defesa Agropecuária acompanhou todo o trabalho da equipe de policiais civis em Soure. "A médica veterinária do órgão público atestou que a carne estava inapta para consumo", ressalta.

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR PRENDEM NOVE ENVOLVIDOS EM CRIMES NAS CIDADES DE IGARAPÉ-AÇU E MARACANÃ

As Polícias Civil e Militar intensificaram operações em conjunto para combate à criminalidade nos municípios de Igarapé-Açu e Maracanã, no nordeste paraense. Somente nos últimos dias, nove envolvidos em crimes foram presos em flagrante ou em cumprimento de mandados judiciais de prisão preventiva na região. Os presos respondem por crimes diversos, desde tráfico de drogas até porte ilegal de armas de fogo. Em uma das ações policiais, realizada por policiais civis e militares dos municípios de Igarapé-Açu e Magalhães Barata, foram presos Milton Junior Aquino, Clebson Barros Monteiro e Leandro da Silva de Lira por receptação e uso de documentos falsos. Com eles, os policiais apreenderam um carro roubado que estava com documentação falsa. 

DROGAS APREENDIDAS

SOM APREENDIDO

A prisão foi realizada na Vila Mocooca, no município de Maracanã, onde os policiais recuperaram outras motos roubadas. Outro preso, acusado do crime de tráfico de drogas, foi Paulo Félix da Silva, de 21 anos. Ele foi flagrado no momento em que revendia cocaína na Vila São João. Com ele, os policiais apreenderam drogas e dinheiro referente do comércio de entorpecentes. 

Em outra abordagem policial, Eduardo Cordovil de Brito, 21, e Roni Saldanha dos Santos, 22, foram flagrados com uma arma de fabricação artesanal semelhante ao calibre 38. Os dois foram autuados por porte ilegal de arma de fogo. Outro preso com arma de fogo ilegal foi Adenilson Corrêa da Silva, 29 anos, que foi autuado por posse ilegal de arma e por furto. 

Os policiais civis apreenderam, durante outra incursão policial, dois equipamentos de som automotivo, cujos proprietários estavam cometendo perturbação do sossego alheio. A apreensão foi realizada após denúncia de moradores em Igarapé-Açu. 

As ações policiais também resultaram no cumprimento de mandados de prisão preventiva decretados contra Alexandre Leal da Conceição, 21, e Jackson Renan Silva Costa, 19, acusados dos crimes de roubo e furto, respectivamente. Ambos já estiveram presos pelos mesmos crimes e estavam atualmente em liberdade concedida pela Justiça. Todos os presos estão recolhidos à disposição da Justiça. 

POLÍCIA CIVIL PRENDE EM CASTANHAL NO PARÁ FUGITIVO DO PRESÍDIO DE PEDRINHAS NO MARANHÃO

A Polícia Civil apreendeu, neste final de semana, armas e drogas em poder de José Ricardo Silva e Silva, que foi autuado em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas e porte ilegal de arma, em Santa Maria do Pará, nordeste paraense. A apreensão foi realizada por policiais civis do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI), da regional Guamá no Pará, durante trabalho investigativo. 

O preso é investigado pela autoria de um homicídio no município e já responde a processo criminal por tráfico de drogas, além de ter sido apreendido quando menor de idade por ato infracional análogo a tentativa de homicídio.

Conforme o delegado Gabriel Batista, do NAI de Castanhal, o acusado foi localizado em via pública em frente à casa onde reside no município. 

Ao ser revistado, os policiais apreenderam com ele um revólver calibre 38 com uma munição intacta. A prisão ser preso, os policiais fizeram uma vistoria na residência. 

No local, foi apreendida mais uma arma de fogo, no caso, uma espingarda calibre 20 sem marca de fabricação nem numeração visível. 

Foram encontrados também três cartuchos intactos e 19 "trouxas" grandes de pasta de cocaína que estavam dentro de um pote enterrado no quintal da casa. 

Os policiais apreenderam ainda a quantia de R$ 331 em dinheiro da venda de drogas e telefones celulares. O preso foi autuado em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo, e vai ficar recolhido à disposição da Justiça.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO PARÁ APROVA PROJETOS QUE GARANTEM MELHORIAS A POLICIAIS CIVIS DO ESTADO

O Parlamento Estadual aprovou em Sessão Ordinária realizada nesta quarta-feira (12), dois Projetos de Lei Complementares nº 2/2017 e nº 3/2017, que garantem melhoria profissional para os policiais civis. Os projetos - oriundos do Governo do Estado - tratam de promoções para os policiais civis e da criação da Divisão Estadual de Narcóticos. Eles foram aprovados em dois turnos e redação final. Agora, serão encaminhados para o governador do Estado, Simão Jatene, para serem sancionados. O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), deputado Márcio Miranda ressaltou a unanimidade da aprovação dos projetos e os benefícios que trarão para os policiais civis e para a segurança pública do Estado. 


“Mais uma vez o Parlamento Estadual cumpre o seu papel, os deputados votaram à unanimidade, com um nível de debate e consciência excelentes e também mais uma vez o parlamento colabora com o funcionalismo público, em particular a Polícia Civil e os delegados, aprovando Projetos de Lei que incorporam mais garantias, mais benefícios, trazendo pra eles mais tranquilidade no decorrer da carreira e no momento posterior, quando se aposentarem”, destacou. O deputado estadual Neil Duarte apresentou uma proposta de emenda, ao segundo projeto, mas não foi aprovada. Os projetos nº 2/2017 e nº 3/2017 alteram a Lei Complementar nº 22, de 15 de março de 1994, que estabelece normas de organização, competências, garantias, direitos e deveres da Polícia Civil do Estado do Pará. 

O primeiro (nº 2/2017) cria a Divisão Estadual de Narcóticos, com uma estrutura de servidores, composta de um cargo de Diretor de Divisão, dois cargos de titular de delegacia, um cargo de chefe de Centro, um cargo de chefe de Cartório de Divisão Especializada, um cargo de chefe de cartório de Delegacia de Polícia, um cargo de chefe de Operações de Divisão Especializada e um cargo de chefe de Operações de Delegacia de Polícia. Já o projeto nº 3/2017 garante promoção para os policiais civis em todos os seus cargos (delegados de polícia, escrivães, investigadores e papiloscopistas), anualmente, no mês de abril e publicadas no Diário Oficial do Estado, no dia 21 de abril. 

“O parlamento do Pará cria condições para que a Polícia Civil seja melhor atendida pelo Estado, no futuro e no presente, e assim possam trabalhar com mais prazer e atender melhor a nossa população nas delegacias, em todos os registros e ocorrências”, destacou Márcio Miranda. Para o líder do governo na Alepa, deputado estadual Eliel Faustino, os dois projetos garantem o fortalecimento da Polícia Civil e da área de segurança pública. “Esses projetos vão propiciar que sejam feitas mais de mil promoções a policiais civis e mais de dois cargos serão criados. E o que temos a festejar é que isso vai suprir uma deficiência de quadros na Polícia Civil e dará um estímulo aos que já integram o quadro do órgão e que receberão promoções e poderão prestar melhor serviços à população”, destacou Eliel Faustino. 

O deputado estadual Iran Lima, da bancada de oposição, destacou que esses projetos atendem a reivindicações que já vinham sendo feitas pelos policiais civis desde 2014. O deputado Neil Duarte apresentou uma emenda ao projeto de Lei Complementar 3/2017, estabelecendo que o cargo de diretor da Diretoria de Identificação do Instituto Médico Legal (IML) fosse de provimento “exclusivo” de papiloscopista. Porém, a emenda não foi aprovada, pois recebeu apenas dez votos favoráveis e 15 abstenções. Para ser aprovada, a emenda precisaria ter 21 votos favoráveis. Permanece vigorando a lei atual que permite o provimento ao cargo por qualquer profissional do quadro da segurança pública. 

Os dois projetos foram, anteriormente, apreciados e votados, na manhã desta quarta-feira (12/04), em reunião conjunta das comissões de Constituição e Justiça (CCJ), Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Segurança, realizada às 8h30, na sala da CCJ. Segundo o presidente da CCJ, deputado Raimundo Santos, ambos tiveram pareceres favoráveis e foi feita uma negociação com a bancada de lideranças para que eles fossem votados em plenário no mesmo dia para garantir que os policiais civis possam ter suas promoções realizadas ainda neste mês de abril, devendo ser publicadas em diário oficial no próximo dia 21. Texto: Avelina Castro ASSESSORIA DE IMPRENSA DA ALEPA.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

POLÍCIA CIVIL INVESTIGA ASSASSINATO DE VEREADOR EM RIO MARIA

A Polícia Civil já investiga as circunstâncias do assassinato do vereador Paulo Chaves Marinho, que era conhecido por Paulão Chefia e que foi morto a tiros, na tarde desta segunda-feira, 10, em Rio Maria, no sudeste paraense. A equipe da Delegacia do município, sob coordenação do delegado Max Müller, já trabalham na apuração do crime. Policiais civis da Superintendência Regional do Araguaia Paraense, sob coordenação do delegado Antônio Miranda, estão em deslocamento para Rio Maria para reforçar as investigações.


Informações preliminares dão conta de que o vereador foi alvejado com cerca de dois tiros na cabeça, por volta de 16 horas, quando estava no bairro Planalto, próximo a uma empresa de produtos laticínios no município. Dois homens seriam os autores dos tiros. Ainda não há suspeitos do crime que tem características de execução. As circunstâncias e motivação do homicídio serão apuradas no decorrer das investigações. 

Segundo o delegado Antonio Miranda, um inquérito policial foi instaurado, no último dia 24 de março, pelo delegado Max Müller, da Delegacia de Rio Maria, para apurar tentativa de homicídio sofrida pelo vereador. Na ocasião, Paulo Marinho conduzia seu carro, quando o veículo foi atingido por disparos, enquanto o vereador retornava da cidade para sua propriedade, perto da comunidade Placas, na zona rural do município. 

quinta-feira, 6 de abril de 2017

POLÍCIA CIVIL PROMOVE CURSO SOBRE RECONHECIMENTO DE ANIMAIS EM SITUAÇÃO DE MAUS TRATOS EM BELÉM

A Polícia Civil, por meio do projeto Sala Verde Ambiente Seguro, vai promover, no próximo dia 18, no auditório da Divisão Especializada em Meio-Ambiente (DEMA), em Belém, um curso de capacitação sobre reconhecimento de animais em situação de maus tratos. A programação terá como público-alvo policiais, agentes de Segurança Pública e profissionais da área jurídica. O curso terá seis palestras. Pela manhã, a partir de 8:30, será feita a apresentação da DEMA e do projeto Sala Verde pela investigadora Sonia Gonçalves. 


Em seguida, será a vez do tema "Aspectos Legais do Crime de Maus Tratos - Lei 9.805/1998" a ser abordado pelo biólogo, advogado e especialista em Direito Ambiental e Urbanismo, Augusto Neves. A programação vai contar com a palestra do médico veterinário da Universidade Federal Rural da Amazônia, Heriberto Figueiredo, que vai abordar o tema "Animais de Tração". Ainda, pela manhã, haverá a palestra "Manejo e Identificação de Serpentes" pelo biólogo Breno Jackson de Almeida. 

Pela parte da tarde, serão realizadas duas palestras. A primeira terá como tema "Cativeiro ilegal, maus tratos e suas consequências para o bem-estar e conservação da fauna silvestre na Amazônia Brasileira" pela analista ambiental do Ibama no Pará, Christina Whiterman. Por fim, a programação vai contar com a palestra "Sinais que indicam maus tratos a animais domésticos" pelo investigador de Polícia e médico veterinário da DEMA, Edelvan Soares. O evento terá apoio do Ibama e Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), da Polícia Militar. 

INSCRIÇÕES Os interessados em participar devem se inscrever na própria sede da DEMA ou pelo telefone (91) 3279-5410 em horário comercial. A DEMA fica na rodovia Augusto Montenegro, km-01, ao lado do Centro de Saúde da Marambaia.

sexta-feira, 31 de março de 2017

POLÍCIA CIVIL EMITE CARTEIRA DE NOME SOCIAL NA ESTAÇÃO CIDADANIA DO SHOPPING BOSQUE GRÃO PARÁ

A Polícia Civil já está emitindo a Carteira de Identidade de Nome Social, para travestis e transexuais, no Posto de Identificação da Estação da Cidadania, localizada no térreo do Shopping Bosque Grão Pará, em Belém. O documento visa proporcionar aos transgêneros um documento oficial de identidade com o nome e gênero com os quais se identificam. A emissão do documento está ocorrendo desde o início deste mês no Posto inaugurado em dezembro passado.

POSTO DE IDENTIFICAÇÃO DO SHOPPING GRÃO PARÁ
A emissão da Carteira de Identidade de Nome Social no novo Posto de Identificação em Belém atende à meta da Polícia Civil de promover a expansão da emissão desse documento no Estado. Para requisitar a Carteira, travestis e transexuais deverão apresentar o documento de identidade original, com duas fotos tamanho 3x4 iguais e em cores, certidão de nascimento original e comprovante de residência no Posto de Identificação da Estação Cidadania. A emissão da carteira de nome social é gratuita. A documento é emitido no mesmo dia.

Posto de Identificação da Estação Cidadania do Bosque Grão Pará

No interior do Estado, atualmente, o documento é emitido na sede da Polícia Civil, em Soure, no Marajó, mas, em breve, será expandido para outros municípios no Estado. O documento é válido como identificação oficial ao ser apresentado em qualquer órgão do Governo do Pará, como hospitais, escolas e delegacias. O novo Posto de Identificação, na Estação Cidadania, conta com atendimento de excelência para emissão da carteira de identidade.

O novo serviço iniciou suas atividades em dezembro de 2016, após ser inaugurado pelo governador do Pará, Simão Jatene. No serviço, com atendimento por ordem de chegada, o atendimento tem atenção especial para as prioridades, como idosos, gestantes, cadeirantes e lactantes. O posto de Identificação tem funcionamento diário de 8 horas da manhã até 18 horas.